NOTÍCIAS ATUALIZAÇÕES

05_02

Trabalhando com e para as mulheres

Em março de 2017, vários membros da CSJ Comissão Internacional de Justiça e Paz participaram da Comissão das Nações Unidas sobre o Estatuto das Mulheres de 2017. O tema da Comissão foi “Empoderamento econômico das mulheres no mundo do trabalho em mudança.”

Em preparação para este encontro, pedimos às Irmãs e Associados/LLPPs para enviar histórias de como as mulheres estavam fazendo a diferença. (more…)



05_03

Foco da ONU no Fim da Pobreza

A Comissão das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Social realizou sua 55ª sessão na sede da ONU em Nova York, de 1 a 10 de fevereiro de 2017. Como seu tema “Estratégias para a erradicação da pobreza para alcançar um desenvolvimento sustentável para todos” indica, o desenvolvimento é verdadeiramente sustentável somente quando a pobreza termina em todas as suas formas. O encontro deste ano deu especial atenção aos mais vulneráveis, em particular a juventude e as pessoas com deficiência. (more…)



IMG_0685

Trabalhando com os Migrantes e Refugiados na Itália

Em uma recente visita às Irmãs de São José, no norte da Itália, especificamente em Torino, Aosta, Pinerolo e Cuneo, tornei-me mais consciente da situação dos refugiados e migrantes e de como as Irmãs estão envolvidas com estes grupos vulneráveis. Em Turim, a Federação Italiana das Irmãs de São José está envolvida em um Ministério colaborativo dedicado a cuidar das necessidades físicas, psicológicas, mentais, espirituais e sociais dos migrantes e refugiados.
Em conversa com pessoas diretamente envolvidas com Migrantes e Refugiados, recebemos informações em primeira mão sobre a situação. Nos últimos anos a Itália enfrentou um fluxo de migração considerável. Apesar dos esforços para lidar com isso, a Itália tem sido incapaz de lidar de forma produtiva com o fenômeno. A primeira resposta aos requerentes de asilo foi falha e inadequada. Muitos estão alojados em instalações de hotel onde recebem abrigo, comida e roupas básicas, mas nenhuma orientação de como se tornar independente do sistema. Geralmente, os refugiados e requerentes de asilo passam mais de um ano esperando para serem reconhecidos como tal, sem ser capazes de participar em cursos de formação ou de como procurar emprego. Uma vez que tenham obtido o estatuto de refugiado, eles devem deixar as instalações dentro de alguns meses.
A sociedade civil está tentando responder a esta necessidade. São as pessoas comuns e as organizações voluntárias que ofereçam serviços diferentes. Seu objetivo não é só fornecer aos refugiados e migrantes alimentação, habitação, vestuário, mas também ajudá-los a conhecer e compreender os diferentes serviços locais. Eles os familiarizam com o sistema de ensino, a assistência jurídica, o sistema de saúde, enquanto constroem relações de amizade, que é o coração do nosso Carisma.
Eu também aprendi que duas das nossas Irmãs, Marirosa e Patricia, da Congregação das Irmãs de São José de Pinerolo, recentemente se ofereceram como voluntárias em um centro de refugiados em Kitsika, Grécia. Estes migrantes e refugiados particulares testemunharam genocídio em todo o seu horror. E agora eles estão vivendo em condições que mal são humanas. Adultos e crianças estão precisando de alimentos, roupas e cuidados. Em seu retorno à Itália, elas continuaram a trabalhar para os refugiados, recolhendo dinheiro, comida e roupas quentes que levaram no final de outubro, para ajudar as pessoas a suportar o frio do inverno.
Ir. Justine Gitanjali Senapati