As ONG Religiosas reúnem as Bases na ONU

As Congregações de São José foram as pricipais organizadoras e realizaram um Evento Paralelo em 30 de janeiro de 2018, realizado durante a quinta-sexta sessão da Comissão de Desenvolvimento Social (CSocD56) nas Nações Unidas em Nova York, de 29 de janeiro a 7 de fevereiro de 2018. “Reunir Desenvolvimento e Direitos Humanos na erradicação da pobreza extrema: estratégias para a implementação da Agenda de 2030″ foi o tema do evento, co-patrocinado pela Missão Permanente de Observação da Santa Sé para a ONU e 9 outras ONGs: Augustinianos Internacionais, Fondazione Proclade Internazionale-Onlus, Franciscanos Internacionais, Associação Internacional da Apresentação (International Presentation Association), Passionistas Internacionais, Irmãs da Federação de Caridade, Irmãs de Notre Dame de Namur, Sociedade de Missionários Médicos Católicos e Comissão de Migração das ONGs.

A “Inclusão Social” como a chave para combater a exclusão econômica foi a mensagem central do evento paralelo. Os participantes dos paineis enfatizaram os direitos humanos e o trabalho das organizações religiosas no combate global à pobreza extrema. Eles sugeriram que as comunidades com forte coesão social têm demonstrado capacidades comprovadas para catalisar o desenvolvimento sustentável, respeitando a dignidade de cada pessoa humana. O evento centrou-se no tema prioritário do CSocD 56: “Estratégias para erradicar a pobreza para alcançar o desenvolvimento sustentável para todos”.

Irmã Justine Gitanjali Senapati, csj, Representante da ONU das Congregações de São José, que ajudou a moderar o evento, começou com um momento de silêncio em homenagem aos mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo que vivem com menos de US $ 1,90 por dia, o que é o definição de pobreza extrema para o Banco Mundial.

Dom Tomasz Grysa, Primeiro Conselheiro da Missão de Observação Permanente da Santa Sé junto à ONU, disse, em nome do Arcebispo Auza, que as comunidades religiosas desempenham um papel essencial na garantia de que a agenda de desenvolvimento sustentável seja implementada de forma ética. Ele disse aos que se reuniam: “É essencial para líderes religiosos, comunidades e crentes – como tantos hoje aqui representados – ajudar a fornecer, com coragem e perseverança, o que poderíamos chamar de” alma “ou” consciência” da agenda de desenvolvimento sustentável. . . . Assim como qualquer coisa boa pode ser mal utilizada, se excluímos de nossas deliberações essas questões mais profundas sobre o porquê que está por trás do que é o desenvolvimento sustentável, então a enorme infraestrutura de desenvolvimento internacional pode acabar realmente sendo usada em algumas circunstâncias para minar o próprio desenvolvimento e a paz para o qual ela foi projetada para avançar “.

O padre Ajaya Kumar Singh, que também foi um dos panelistas do Fórum da Sociedade Civil deste ano, falou sobre as comunidades vulneráveis do Leste da Índia, que ele serve como Diretor do Fórum Regional de Odisha para Ação Social. O padre Singh, que sofreu a pobreza em si e tem conhecimento de primeira mão de grupos vulneráveis, como os Tribais, Dalits e minorias religiosas, salientou as situações críticas e complexas da Índia. Ele disse que, embora o país tenha muitas políticas que promovam o desenvolvimento econômico, o sistema de castas da sociedade impede a implementação de muitas dessas políticas. Ele enfatizou a necessidade de coesão social e cultural como chave para o desenvolvimento humano. “Você não pode falar apenas da perspectiva da economia”, disse ele. “É uma questão de dignidade humana, direitos humanos e respeito humano”.

No Sudeste Asiático, as Irmãs da Caridade promovem as necessidades econômicas e de desenvolvimento humano através de cooperativas baseadas na comunidade que oferecem treinamento de habilidades e microcréditos dentro da comunidade. Sua representante da ONU, Irmã Teresa Kotturan, compartilhou a jornada de uma mulher chamada Sabitri, que se juntou à cooperativa de mulheres dirigida pelas Irmãs da Caridade, aprendeu apicultura e garantiu um empréstimo para comprar uma pequena casa. Ela ensinou o seu trabalho para o marido e o treinou na administração da fazenda de cogumelos. As habilidades simbióticas permitiram que sua família estivesse entre os agricultores mais bem sucedidos no Nepal. “A parte mais importante é acompanhar as pessoas”, disse a Irmã Kotturan. “Nós os acompanhamos para que eles mesmos possam ser os tomadores de decisão, e eles possam levar seu destino em suas próprias mãos”.

O padre John Rausch, economista e missionário que trabalha com comunidades apalaches no Kentucky e Virgínia, enfatizou que o desenvolvimento autêntico não se limita ao acesso a itens essenciais como comida, roupas, água e abrigo, mas também inclui um sentimento de pertença. “Meu trabalho é o desenvolvimento das pessoas”, disse ele. “Também implica promover a pertença a algo que vai impulsioná-los a uma vida melhor”.

A Irmã Elsa Muttathu, uma Irmã da Apresentação da Santíssima Virgem Maria, compartilhou um pequeno documentário de vídeo que destaca os sucessos de 24 famílias zambianas que sua comunidade serve através de cooperativas baseadas na aldeia. As Irmãs promovem não só o bem-estar econômico, mas práticas sustentáveis que respeitem o meio ambiente e a aprendizagem ao longo da vida. Por exemplo, se uma árvore precisa ser cortada por qualquer motivo, as famílias devem substituí-la por duas árvores. Outro requisito é que, para que as famílias recebam terra na cooperativa, seus filhos são obrigados a receber uma educação. Para muitos países, os preconceitos culturais profundamente enraizados podem ser obstáculos para o avanço econômico.

Marina El Khoury, Representante da ONU para Franciscanos Internacionais, que facilitou a discussão, disse que as cooperativas comunitárias precisam ser uma estratégia importante no desenvolvimento econômico. “Eles colocam a pessoa no cerne do que a erradicação da pobreza realmente significa”, disse ela.

O objetivo do evento paralelo foi trazer as vozes e os esforços das iniciativas de base para a plataforma das Nações Unidas. Assim, o evento apresentou algumas estratégias utilizadas em alguns países: Índia Oriental, Nepal, Zâmbia e Leste da América.